agosto 28, 2008

Minha história com o Cardamomo


Gente, preciso dizer que eu não conhecia o cardamomo, uma plantinha da família do gengibre, nativa das florestas úmidas da Índia, do Sri Lanka, da Malásia e de Sumatra, muito usada como tempero - caro por sinal! Para mim, um tempero desconhecido até pouco tempo.

Ele já foi Rei no Colher de Tacho, e foi nesse universo cyber que eu descobri sua existência, porém eu nunca tinha visto ou experimentado até que, no aniversário de uma amiga, fui apresentada à plantinha. rs

Explico: esta amiga é dona de um restaurante muito bacana daqui do Rio e o chef que elaborou o cardápio estava no aniversário dela, pois são muito amigos. Devidamente apresentados, o papo de culinária foi loooonge, tagarelamos horas a fio sobre tudo! Até que eu comentei com ele a minha revolta por não conhecer o cardamomo. Ele não se fez de rogado: foi até a cozinha e, para minha total surpresa e deleite, voltou de lá com uma cápsula, envolvida por uma casca fininha, clara, repleta de sementinhas negras, grudadinhas.

Gente, que aroma é aquele? Que mágica há naquelas sementinhas que, como por encanto, fizeram meu olfato sentir o cheiro de um oriente distante, de um exótico e desconhecido mundo que se revelava num perfume único. Começou aí minha história de amor com o cardamomo. Acreditem, eu embrulhei aquela cápsula num guardanapo com todo o cuidado e levei pra casa! Não quis saber! Tinha que experimentar - e logo!

No dia seguinte, preparei um frango ensopado, confort food mesmo, rapidinho, básico, na minha adorada panela de pedra, e coloquei algumas sementinhas (3, eu acho) do cardamomo. Ficou diferente de tudo o que eu já tinha experimentado antes. E o perfume foi longe... Dizem que uma sementinha no café faz toda a diferença. ;-)

O ensopadinho levou meio peito de frango, 2 batatas grandes picadas, uma cenoura pequena em cubinhos, uma cebola pequena, alho, dois tomates pelados, sal e pimenta, 3 sementinha de cardamomo. Aqueci um fio de óleo na panela, dourei bem o frango (mas parece que ele não pegou cor!) e em seguida acrescentei a cebola e o alho, deixando dourar também. Coloquei os tomates picadinhos e as batatas, envolvendo para pergar o gosto, como diz minha mãe. Em seguida, coloquei água o suficiente para cobrir tudo, e deixei cozinhar, acrescentando água quando necessário, até a batata ficar macia. Temperei com sal, pimenta e coloquei o cardamomo no meio do processo, depois que a água já havia evaporado um pouco. A cenoura eu cozinhei à parte, pois estava muito gelada e dura, fiquei com receio de não ficar macia o suficiente. Comidinha simples e gostosa! Aprovada com louvor. ;-)

4 comentários:

Magia na Cozinha disse...

Eu vim a conhecer o cardamono há pouco tempo nas minhas leituras culinárias. E hoje, por coincidência, experimentei pela primeira vez.
Amei!
Estava louca para comprar, mas é muito caro. Só comprei, porque encontrei numa liquidação pela metade do preço. Só que é o em pó.
Viva o cardamono!
Bjs :)

amigosdobalde disse...

Eu sou também um fã incondicional do cardamomo. É uma delícia. Parabéns pelo blog!

Diego Moreira disse...

Ah, as especiarias... Encantaram Marco Polo e outros tais, levando o homem a se lançar ao mar enfrentando torrentes e monstros das profundezas comandados por Olokun!

Bjo!

iago disse...

onde posso encontrar o cardamomo no rio de janeiro ??