fevereiro 24, 2008

Cuscus marroquino com tâmaras e damasco

Pra começar, não poderia deixar de postar aqui uma das delícias que me enchem a boca d`água: o couscous marroquino.

Amo a África, esse continente esquecido, tão tristemente desconhecido. Nosso Brasil tem mais dele em “suas veias” do que imaginamos. A África nos influenciou e nos ofereceu seu melhor: sua cultura, seus orixás, suas cores, seus sabores, sua gente.


O mais interessante é que o Marrocos, possível origem deste prato, é um país que carrega o sangue quente da África nas veias e a alma árabe em sua essência.

Tudo isso me fascina. Talvez porque eu seja uma Moreira, cujas raízes ancestrais me ligam diretamente aos mouros, povo árabe-berbere nômade, oriundo das regiões próximas à Península Ibérica. Minha bisavó paterna, contam os familiares, era de Bilbao, Espanha, região que esteve sob domínio mouro por muito tempo.

Mas só conheci este prato há poucos anos, nada na família me levou a ele. Uma amiga querida, Verena, cozinheira de mão cheia, contou minha relação de amor com o couscous em seu blog,
Mangia che te fa bene, minha eterna fonte de consulta.

Vê, você foi também uma das “musas inspiradoras” para a criação deste espaço aqui! Obrigada pelos e-mails, pelas dicas, pela amizade!

Como fiz uma quantidade razoável para o Natal, usei 2 xícaras de semolina para couscous, 1 xícara água (usei um pouco de um caldo de galinha que tinha congelado), um punhado de tâmaras picadas, um punhado de damascos picados e cebolinha à gosto. Pode ser servido com muitas combinações de alimentos, é fácil de fazer, rápido e saboroso. Quem se habilita?

2 comentários:

Verena disse...

La, que delícia de blog!!!! Fiquei orgulhosa e me senti toda prosa com os adjetivos e carinho!
Obrigada pela amizade e que eu sempre te inspire!
Beijos e super boa sorte!
Espero novas receitas também!
Saudades,

Larissa disse...

Vê, você é uma irmã querida, de quem sinto muita falta da convivência diária. Espero fazer por merecer seus elogios também Um beijo.